12 horas de Tarumã: Em final eletrizante dupla Pretto/Rotta leva troféu Fita Azul

12 horas de Tarumã: Em final eletrizante dupla Pretto/Rotta leva troféu Fita Azul

O final de semana foi de intensa velocidade no Autódromo Internacional de Tarumã, em Viamão com a realização da 40ª edição das 12 Horas. O evento foi o ápice da comemoração do cinquentenário da pista viamonense.

Neste ano, em função da pandemia de Covid-19, não foi autorizada a presença de público. Apenas pilotos e equipes de prova, além de comissários e representantes da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA), Federação Gaúcha de Automobilismo (FGA), Automóvel Clube do Rio Grade do Sul (ACRGS) e imprensa puderam acompanhar a competição. Todos que entraram foram obrigados a realizar teste rápido para detecção de Covid.

Nos boxes a tarde de sábado foi de intenso trabalho com os últimos ajustes para a mais tradicional prova de longa duração do Brasil. Mais tarde, já ao anoitecer, provas da Classic Challenge movimentavam o autódromo da Velha Capital.

Pontualmente à meia-noite as luzes se apagaram e com isso os Marcas iniciaram a busca pelo troféu Fita Azul. A primeira metade da corrida foi marcada pela intensa presença do safety car. O veículo de segurança foi utilizado em função diversos pequenos acidentes que deixaram marcas na pista.

Por volta das 4h30 uma confusão envolveu o ônix da equipe MC Tubarão formada por Tiel de Andrade, Julio Martini e Rodrigo Lemke; o ônix do quarteto Marcelo Albuquerque, Sergio Rocha, Paulo Fontes e Cadu Maciel e; o Corsa de Davi Antunes, João Giovanella, Willian Gaiewski e Regis Boessio entre as curvas 1 e 2. Este foi considerado o momento mais tenso da prova, felizmente todos os envolvidos escaparam sem lesões graves.

Na pista, as principais emoções foram reservadas para a parte da manhã. Primeiro quando, às 9h55 o Celta da dupla Paulo Pretto e Guto Rotta ultrapassou na parte mista do circuito o Corsa do trio Thiago Messias, Carlos Erwig e Nícolas Dallagnol. Cerca de 10 minutos depois Dallagnol que pilotava o carro saiu da pista e capotou, deixando assim a prova.

A partir daí as 12 Horas de Tarumã passaram a ganhar ares de dramaticidade, sobretudo para a equipe do Celta 461 do trio Maicon Roncen, Fabiano Cardoso e Thiago Tambasco. Com grande habilidade, Cardoso, foi conquistando espaço a ponto de, em cerca de 5 minutos, ultrapassar 9 carros retardatários e colar no líder Pretto.

Às 11h57 da manhã ocorreu o acidente que definiu a corrida. Cardoso, ao colocar pressão em Pretto, não conseguiu evitar o choque entre os Celta, tirando Preto da disputa da prova. Cerca de 4 minutos depois Cardoso recebia a bandeirada.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Imagens: Fabiano Bernardes e 12 horas de Tarumã

ffbernardes

ffbernardes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido