Editorial: Não brincamos com notícia

As últimas 24 horas foram marcadas por notícias que geraram polêmica, sobretudo em função da necessidade de respostas por parte de zelosos pais, que preocupados com o futuro imediato de seus filhos nas escolas da rede privada de ensino, atacaram, covardemente, nossa empresa.

Pois bem. Hoje, após perceber a incoerência na edição publicada ontem (26), em seu Decreto de Calamidade Pública, o prefeito em exercício de Viamão, Valdir Elias, corrigiu um erro, não somente seu, mas também de pessoas que revisam os textos assinados pelo chefe do poder executivo.

O primeiro Decreto de Calamidade Pública, veiculado no último dia 25, proibia o funcionamento das escolas das redes pública e privada por 15 dias, com o seguinte texto:

Art. 47 – Ficam suspensas as aulas de toda a rede pública municipal e privada pelo prazo de 15 dias a contar deste decreto, podendo ser prorrogada.

Parágrafo Único – Ficam suspensas inclusive as escolas de educação infantil pública e privada.

A publicação de ontem (26), alterava o artigo 47 do texto, deixando-o com a seguinte redação:

Art. 47 – Ficam suspensas as aulas de toda a rede pública municipal pelo prazo de 15 dias a contar deste decreto, podendo ser prorrogada.

 

Hoje novo texto foi publicado, modificando a redação do dia 26 e retornando ao que tínhamos antes.

[pdf-embedder url=”http://bernardesdigital.com.br/wp-content/uploads/2020/03/decreto0252020_27065646.pdf”]

Ou seja, a interpretação de que as escolas privadas poderiam funcionar estava CORRETA.

Reiteramos que a preocupação dos pais é devidamente aceita, entretanto, a falha do gestor municipal não pode, sobremaneira, gerar dúvidas sobre o trabalho sério e isento da imprensa.

ffbernardes

ffbernardes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido