Para Nilton Magalhães talvez seja preciso rever progressão no plano de carreira dos servidores

Para Nilton Magalhães talvez seja preciso rever progressão no plano de carreira dos servidores

Em entrevista ocorrida no começo da tarde desta sexta-feira (25) na Metropolitana TV, o pré-candidato a vice-prefeito de Viamão pelo PSDB, engenheiro Nilton Magalhães apresentou uma série de proposições as quais, se eleito junto com Valdir Bonatto, pretende implementar no município a partir de 1º de janeiro.

Nilton iniciou falando sobre sua história pessoal. Contou sobre os pais e também sobre sua formação educacional. Lembrou que com 21 anos já estava formado em engenharia. Disse que iniciou a trabalhar por Viamão ainda na gestão de Tapir Rocha (1983-1988) e a partir daí fez um balanço de sua vida profissional e política.

Ao falar sobre educação, o político lembrou o fato do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) ser avaliado ao final do 5º e do 9º ano do ensino fundamental. Citou o fato de ser preciso fazer uma avaliação semestral para que os alunos estejam em condições de realizar as avaliações do índice federal. Nilton Magalhães disse que Viamão precisa de cidadãos que saibam respeitar os mais diversos aspectos sociais. Afirmou que as avaliações sobre o sistema Alfa & Beto vão ser sistemáticas e caso se conclua que ele não é satisfatório, vai ser substituído. Afirmou que por ser filho de educadores sabe que os professores sentem que “reprovar um aluno é um verdadeiro atestado de incompetência do professor”.

Sobre a saúde em Viamão, Nilton Magalhães disse que apesar deste ser um setor que se enxuga gelo é um problema de gestão. Disse ser necessário que o gestor acompanhe de maneira muito próxima a pasta. Lembrou que o Ministério Público investiga contratos superfaturados no setor. Afirmou que só se revê contrato com processos jurídicos e licitações bem estruturadas. Citou que têm coisas muito simples a serem feitas na pasta. Usou como exemplo o fato da falta de informações na página da prefeitura que, segundo ele, poderia evitar que um paciente saísse de casa para buscar remédio na farmácia pública e ao chegar lá não ter o item em estoque.

Sobre o funcionalismo, Nilton Magalhães disse que a questão do plano de carreira é muito boa pois vai apresentar uma série de melhorias, sobretudo no salário dos servidores. Afirmou que talvez seja preciso se rever a progressão do plano de carreira dos funcionários. Lembrou o fato de quando a frente da prefeitura, o então prefeito Valdir Bonatto pagou salários em dia.

Para ele, muitos pensam que o arroz é a única commodity de Viamão. Lembrou que de 30 a 40% do território agrícola viamonense é utilizado para o plantio da soja.

Para Nilton Magalhães, o município entrega o arroz quase que de graça para outros estados e isso não traz tributos à Velha Capital. Citou o município de Capivari do Sul, que segundo ele, está se beneficiando da produção da oleaginosa cultivada na Velha Capital.

O pré-candidato citou ainda o fato da ausência de uma fiscalização educativa em Viamão. Lembrou da produção de iogurte e rapadura de leite que ocorria na Escola Técnica de Agricultura (ETA). Citou que não existe em Viamão o chamado certificado de origem. Ratificou que o município tem o melhor arroz orgânico da região. Disse também que a prefeitura é responsável por auxiliar os pequenos e médios produtores. Citou como exemplo o fato de que a produção de ovos poderia ser certificada. Afirmou que Viamão virou as costas para o campo. Finalizou dizendo que se não houver mudanças o município vai entregar os produtos de graça para cidades vizinhas.

No quesito econômico, Nilton Magalhães disse que Viamão entrou o ano devendo algo em torno de R$ 111 milhões e que mais de R$ 60 milhões são de dívidas com fornecedores. Segundo ele, a situação só não está pior em função de uma ajuda do governo federal. Citou o fato de Viamão ter recebido R$ 32 milhões do governo e que com isso conseguiu manter a folha de pagamento em dia em 2020.

Para ele é um desafio monstruoso manter a folha de pagamento em dia e cumprir todos os encargos. Disse que Viamão não vai deixar de pagar, mas que vai precisar propor parcelamento de dívidas com os fornecedores, mesmo que alguns destes tenham, segundo Nilton Magalhães, ajudado a manter um sistema corrupto em Viamão.

Por fim o engenheiro citou a possibilidade de utilizar as áreas de escolas para criar espaços de recreação durante os finais de semana. Afirmou ser preciso trazer uma usina de asfalto para o município e com isso diminuir os custos com pavimentação nas vias da cidade. Afirmou ser necessário identificar os empreendimentos que não venham competir e que tragam receitas para Viamão.

Confira abaixo a íntegra da entrevista

ffbernardes

ffbernardes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido